Guilherme Ribeiro

Not just another WordPress.com weblog

Irresponsabilidade socioambiental

with 4 comments


Confesso que nunca vou entender os designers e seus fiéis – e estranhos – apreciadores… Tudo bem valorizar a criação intelectual, premiá-la e, claro, vendê-la. Mas daí até cobrar r$ 1700 por uma cadeira feita de garrafas PET há todo um longo, quiçá estúpido, caminho.

Do começo?

Adquiri, no primeiro semestre, um modelo da talvez promissora Jac Motors e, fazendo valer a garantia, que é de seis anos, tornaram-se frequentes as visitas às concessionárias para realização de revisões e pequenos reparos.

Todas as concessionárias da rede possuem mesmo projeto de decoração, do preto brilhante da fachada ao porcelanato, passando pelos móveis bem bolados e pelas cadeiras descoladas, “produzidas com garrafas PET” segundo os vendedores, frequentemente questionados pelos clientes que se encantam com as peças.

A tal cadeira. Ao redor, matéria-prima…

Montando o barraco, obrigatoriamente passei a nutrir interese por mobília, decoração e afins, E cacei pela web as tais cadeiras, pensando nelas para minha mesa de jantar.

Descobri que são produzidas pela Emeco, fabricante estadunidense de móveis conceituais, criados por designers bacanudos. A tal cadeira, batizada de Navy 111, carrega dupla referência no nome: a primeira, Navy, diz respeito a um dos primeiros e talvez o maior cliente da fabricante, a marinha dos EUA, que a ela encomendava os móveis utilizados no interior de seus submarinos e porta-aviões; e 111 é o número de garrafas PET – de Coca-Cola, eles juram – que servem de matéria-prima para a fabricação da cadeira.

Ok.

Ó movel e feito a partir de lixo – resíduos ou materiais recicláveis para os puristas, mas, basicamente, lixo. A proposta, nem preciso dizer, é mega sustentável, alinhado a todas as propostas de governantes, empresas e sociedade que se dizem interessados em ‘salvar’ o planeta, certo?

Então, porque raios esta cadeira não está em todas as salas de espera, repartições públicas, instituições de ensino, auditórios e afins?

Porque custa R$ 1700,00 (cada).

Mais alguém achou alguma coisa errada, meio que na contramão? Pra que restringir o público de um produto tão inteligente?

Lembro bem das aulas de Mercadologia, mas nunca compreendi essa coisa de definir seu público pelo valor cobrado pelo produto. Me soa como a invenção mais absurda do absurdo que é o marketing.

Essas cadeiras deveriam estar nos conjuntos mesa+cadeiras das Casas Bahia, não na vitrine de uma linda loja da Haddock Lobo, mas inatingível à maioria dos bolsos.

Gente, repito, são garrafas PET!
É plástico de garrafas de Coca-Cola triturado, aquecido e modelado.
GARRAFAS PET!
PET!!!

Pobre não pode ser sustentável?
Se o problema é esse, façamos a cadeira verde, de garrafas de Guaraná Dolly.

Anúncios

Written by Guilherme Ribeiro

03/11/2012 às 23:57

4 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. kkkkkkkkkkk, dolly foi fogo, não dá é muito caro, igual papel reciclavel é mais caro que o normal, assim nao dá ….

    Luciano Araujo

    04/11/2012 at 20:56

  2. Reblogged this on zarpantee comentado:
    Sensacional!

    zarpante

    08/11/2012 at 14:18

  3. simples e elegante 🙂

    Lux Life Concierge

    10/04/2014 at 20:09


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: